Eletroencefalograma EEG | Mapeamento Celebral

Eletroencefalograma EEG | Mapeamento Celebral

O EEG é um exame que analisa a atividade elétrica cerebral espontânea, captada através da utilização de eletrodos colocados sobre o couro cabeludo. Como a atividade elétrica espontânea está presente desde o nascimento, o EEG pode ser útil em todas as idades, desde recém-nascidos até pacientes idosos, mas realizamos o exame a partir de 7 anos e sem sedação.

Como é feito:
O EEG é realizado através da colocação de eletrodos no couro cabeludo, com auxílio de uma pasta condutora que, além de fixá-los, permite a aquisição adequada dos sinais elétricos que constituem a atividade elétrica cerebral. Inicialmente é feito um registro espontâneo da atividade elétrica cerebral durante a vigília (paciente acordado). Se possível, essa atividade é registrada também durante a sonolência e o sono. O registro em todos esses estados aumenta a sensibilidade do método na detecção de diversas anormalidades.

Após o registro espontâneo, são realizadas as provas de ativação: hiperpnéia (o paciente realiza incursões respiratórias forçadas e rápidas, por 3 a 4 minutos) e fotoestimulação intermitente (coloca-se, frente ao paciente, uma lâmpada que produz flashes com freqüências que variam de 0,5 a 30 Hz). O objetivo deste método é aumentar a sensibilidade do exame, bem como detectar alterações específicas que podem ser provocadas pelas provas de ativação.
As indicações deste procedimento são:
1. Classificar o tipo de crises e das síndromes epilépticas;
2. Identificar as crises não epilépticas (crises de perda de fôlego, crises de apnéia, movimentos involuntários, síncopes, pseudo-crises, etc.);
3. Determinar a medicação anticonvulsivante apropriada, monitorando a sua eficácia e orientando o prognóstico, isto é, o tempo de tratamento;
4. Auxiliar na determinação das causas das crises epilépticas, tais como a persistência de ondas lentas focais em lesão de massa, ondas lentas generalizadas em encefalopatias (evolutivas e não evolutivas) e distúrbios metabólicos (intoxicação por drogas, doenças renais ou hepáticas);
5. Descargas periódicas em encefalites;
6. Supressão ou atenuação em lesões cerebrais extensas ou agudas;
7. Morte cerebral;
8. Acompanhar distúrbios psiquiátricos e geriátricos.

Preparo:
- Lavar a cabeça com shampoo neutro ou sabão de coco
- Não utilizar nenhum creme ou condicionador
- Secar bem os cabelos
- Trazer uma toalha de rosto

Receba nossos
Informativos

*Não enviamos SPAM!